O que é Educação Aberta para você?

Na última sexta-feira (06/02), estivemos na Campus Party realizando uma atividade em parceria com a Imprensa Jovem.

O que é Educação Aberta para você? Essa foi a pergunta que as crianças fizeram aos campuseiros. Vejam que interessante a concepção de distintos profissionais, de várias áreas do conhecimento e de diferentes faixas etárias.

Quer fazer parte dessa playlist? Grave um vídeo de no máximo 1 minuto e manda o endereço pra gente poder adicionar! Não esqueça de dizer o seu nome, sua cidade e sua profissão/área de atuação 🙂



Confira também os bastidores do trabalho da Imprensa Jovem em parceria com o Instituto Educadigital na Campus Party 2015.


REA.br participa da Campus Party Brasil 2015

Campus Party Brasil é um dos principais acontecimentos tecnológicos do país nas áreas de inovação, ciência, cultura e entretenimento digital, reunindo milhares de pessoas para debater os principais temas de cada um destes universos.

O movimento REA participa anualmente da Campus Party desde 2011 e já contribuímos com oficinas e palestras. Esse ano vamos propor uma atividade em parceria com a Revista ARede que mobilize pessoas para criação de conteúdo.

Os participantes da atividade deverão realizar entrevistas com participantes da Campus Party no formato de vídeo de celular de no máximo 1 minuto. As pessoas entrevistas deverão responder a pergunta “o que é Educação Aberta pra você”? Os vídeos serão inseridos pelos próprios participantes no canal do Vímeo do Instituto Educadigital e será escolhida uma licença Creative Commons. No final da atividade serão sorteados brindes como camisetas, adesivos, bombons e etc.

Já fechamos parceria com a Imprensa Jovem do projeto Nas Ondas do Rádio, mas reforçamos o convite para todos que estarão presentes.

Essa atividade também marca o início de uma feliz parceria entre o Instituto Educadigital (REA.br) e a Revista ARede. Iremos iniciar uma coluna mensal, a “Livre Saber”, para falar de REA e Educação Aberta.

Quando? 06/02 das 14h às 16h
Onde? Cantinho da Revista ARede. A gente se vê na Campus 🙂

Crédito de Imagem: Márcio de Assis / CC-BY-SA

Semana de Integração das Tecnologias e Educação Aberta do Paraná

A Semana de Integração das Tecnologias e Educação Aberta do Paraná articula ações de interesse comum, que envolvem a educação mediada pelas tecnologias digitais. Integram o desenvolvimento profissional docente nos vários níveis da educação representados pela UFPR, UTFPR, IFPR e SEED-PR – Secretaria de Educação do Estado do Paraná.

Objetivos

  • Consolidar a parceria entre as Instituições de Ensino federais ( UFPR, UTFPR, IFPR) e a SEED.
  • Debater a integração das tecnologias digitais com enfoque na educação aberta.
  • Compartilhar conhecimento e experiências sobre a educação.

Lançamento das seguintes ações:

  • Programa Paranaense de Práticas e Recursos Educacionais Abertos – PPPREA
  • REA nos repositórios digitais da UFPR e da UTFPR
  • LIFE – Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores UFPR/CAPES

Inscrições

Até 23/11/2014 no www.utfpr.edu.br/prograd/eventos

Fonte: CIPEAD e UFPR

Unesco e Unicamp lançam cátedra em educação aberta

Por Jamila Venturini em Open Knowledge Brasil

Será inaugurada no dia 11 de novembro, a Cátedra em Educação Aberta da Universidade de Campinas (Unicamp) em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação e Cultura). Na ocasião, Celso Costa, diretor Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal Fluminense, dará a palestra inaugural com o título “Trajetória da educação aberta nos meus caminhos de professor”. Costa foi coordenador geral da Universidade Aberta do Brasil e atualmente coordena o grupo de pesquisa Formação de professores e Tecnologias de Informação e Comunicação (CNPq). Para participar do evento, basta se inscrever aqui.

A iniciativa busca promover pesquisa e capacitação na área de educação aberta e recursos educacionais abertos, facilitando a colaboração entre pesquisadores e professores da área no Brasil e no mundo. Seus objetivos são: desenvolver e implementar atividades que busquem compreender como as práticas e espaços do ensino público básico e de ambientes não-formais de aprendizado podem implementar o uso e produção de Recursos Educacionais Abertos (REA); fomentar a adoção e disseminação de políticas de acesso aberto e licenciamento aberto; promover a criação e disseminação de recursos digitais que possam ser utilizados em ambientes educacionais, entre outros. Além disso, a proposta é se criar uma rede de colaboração internacional ao redor dos temas de educação aberta e REA que possa facilitar a troca de conhecimentos nos níveis nacional, regional e global.

Leia a seguir entrevista com Tel Amiel, coordenador da Cátedra, Pesquisador do Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) na Unicamp e coordenador do projeto Mapa de Iniciativas de Recursos Abertos (MIRA) feito em parceria entre a OKBr, Instituto Educadigital e a ESPOL (Ecuador).

O que é educação aberta? Como essa ideia dialoga com o movimento mais amplo pelo conhecimento livre?

No Livro REA eu defini educação aberta como: “Fomentar (ou ter a disposição) por meio de práticas, recursos e ambientes abertos, variadas configurações de ensino e aprendizagem, mesmo quando essas aparentam redundância, reconhecendo a pluralidade de contextos e as possibilidades educacionais para o aprendizado ao longo da vida”. O essencial, para mim, é pensar na articulação de vários modelos e propostas. É ir além da noção simplista e recorrente de que a mudança educacional precisa necessariamente suplantar algo que já existe. Podemos agregar novas configurações de ensino e novas oportunidades de aprendizagem ao que já existe. É nesse embate que geramos mudança no que está posto e calibramos as novas propostas.

Você poderia resumir um pouco o histórico e características principais da parceria que resultou na cátedra?

A Cátedra nasceu de um bate papo que tive durante uma conferência com Rory McGreal, que é coordenador da Cátedra Unesco em REA na Athabasca University. Desta conversa veio outra, em Paris com Abel Caine, que coordena as iniciativas relacionadas à REA na Unesco e incentivou a criação do projeto. Já começamos a trabalhar em parceria com outras Cátedras em temas relacionados (estas existem atualmente no Canadá, Eslovénia, Holanda, Nova Zelândia e México). A criação de redes internacionais de colaboração é um objetivo central da instauração de Cátedras pela Unesco. Para nosso projeto, o enfoque é o no ensino básico e na formação docente, o que complementa o trabalho dos outros parceiros que agem com maior esforço em outras áreas (como no ensino superior).

Qual a importância dessa cátedra para a pesquisa na área de educação aberta e REA no Brasil? Que atividades se pretende desenvolver?

O estabelecimento da Cátedra vem para reconhecer o trabalho que é feito no Brasil por ativistas, professores, pesquisadores e educadores, particularmente no que tange a área de recursos educacionais abertos. Esperamos que ela fortaleça e possa dar maior exposição a toda essa produção. Com a Cátedra, temos como intenção de continuar e expandir a nossa linha de trabalho. Isso inclui a produção de material e oportunidades para formação e a pesquisa. Em 2013 fizemos um projeto piloto com um grande número de parceiros, um Curso Aberto sobre “abertura” que buscaremos replicar em 2015. Continuamos o trabalho em torno do Caderno REA e da Bibliografia REA que servem como porta de entrada para o tema. Ainda esse ano, entregaremos uma análise detalhada dos portais de recursos abertos na América Latina por conta do projeto MIRA e continuaremos nossa colaboração central na construção de uma cartografia global sendo desenvolvida sobre REA. Buscaremos expandir nosso trabalho de pesquisa em torno da Universidade Aberta do Brasil (grupo coordenado pela UFF, em parceria com a UEL).

Como as universidades e pesquisadores brasileiros têm trabalhado o tema da educação aberta? Como você avalia a pesquisa que tem sido desenvolvida nessa área?

A noção de uma “educação aberta” pode ser interpretada de múltiplas maneiras, portanto não é fácil definir uma linha de trabalho comum. Parte do nosso esforço futuro será o de juntar noções históricas e contemporâneas sobre abertura. Isso inclui o legado da educação alternativa do início do século XX, caminhando pela educação progressiva e o movimento do “open education” nos anos 60-70. Hoje, propulsionado pelo crescimento do movimento REA, “educação aberta” está muito ligado às oportunidades de aprendizado que existem gratuitamente na web. É interessante buscar paralelos teóricos e práticos nessa trajetória, identificando como isso pode impactar nossa visão de escola e formação docente para o futuro. A história e pesquisa brasileira nessa área é rica e incluem desde a pedagogia crítica à projetos importantes em educação democrática.

Qual a importância de se criar uma rede de intercâmbio internacional sobre o tema?

A questão da “abertura” na educação tomou proporções globais e interdisciplinares. Precisamos nos conectar cada vez mais com outras iniciativas e trocar experiências com outros países e grupos de estudo. Serve para oxigenar o debate em torno de REA/EA, particularmente no ensino superior. Digo isso porque o que é discutido como inovador ainda é dominado pelo contexto de países ricos e falantes de inglês — precisamos de maior pluralidade.

Que iniciativas brasileiras na área de REA / Educação Aberta você destacaria?

Terminamos recentemente um projeto, o Mapa de Iniciativas de Recursos Abertos (MIRA) que tem como enfoque uma área ainda pouco estudada: repositórios voltados para o ensino básico na América Latina. Este recorte rendeu um mapa interativo e detalhado de vários projetos notáveis. Esperamos dar maior visibilidade a essas iniciativas, identificar boas práticas e compartilhar esse conhecimento. Além disso, a Comunidade REA (rea.net.br), da qual participo, é um projeto pioneiro no Brasil, que tem atuado fortemente para sensibilizar, formar e construir política pública sobre o tema. O Grupo de Trabalho sobre Ciência Aberta que conta com vários atores e projetos expressivos nessa área, é também uma referência. Um bom recurso para quem tem interesse na área e alguns de seus atores é o Livro REA.

Conheça os representantes políticos da Educação Aberta nesse novo ciclo eleitoral

O movimento REA tem algumas boas notícias após os resultados das eleições!

No Brasil, temos 5 políticos que propuseram projetos de lei sobre Recursos Educacionais Abertos, e desses, 3 foram reeleitos a deputados federal e estadual. É importante frisar que graças aos esforços de Alexandre Schneider (enquanto Secretário Municipal de Educação) o município de São Paulo foi o primeiro do Brasil a adotar uma política pública de REA. No caso do PL do Estado de São Paulo (PL 989/2011) apresentado por Simão Pedro (atualmente Secretário de Serviços do município de São Paulo), tivemos a aprovação pela Assembleia Legislativa e posterior veto do governador reeleito, Geraldo Alckmin (lembrando que o governo de SP veta 90% dos projetos aprovados).  Foram reeleitos os seguintes candidatos:

Paulo Teixeira (PT) – Deputado Federal – autor do PL Federal 1513/2011

Chico Vigilante (PT) – Deputado Distrital – autor do PL Distrital 1832/2014

Edson Praczyk (PRB) – Deputado Estadual – autor do PL do Estado do Paraná 185/2014

Nosso movimento lançou nesse período uma eleitoral uma campanha para tentar sensibilizar mais decisores políticos a dar atenção ao tema. Para dialogar com os políticos, o movimento REA Brasil lançou a Carta Compromisso Educação Aberta, documento que traz três tópicos relacionados à atuação e ao posicionamento perante a questão após eleito. Já para a sociedade civil, um selo de código “embedável” foi desenvolvido para que qualquer usuário da web possa levar para outro site ou blog a mensagem “Eu apoio a Educação Aberta”, além de uma carta de apoio do eleitor.

Usamos as redes sociais e emails disponibilizados por todos os candidatos aos cargos do poder executivo (governador e presidente) para entrar em contato direto. No caso dos candidatos ao legislativo contamos com o apoio de membros da comunidade REA Brasil para entrar em contato com o maior número possível de candidatos. Após um mês intenso de mobilização, conseguimos o retorno de 7 candidatos, sendo que apenas um deles era candidato a um cargo do poder executivo.

Os seguintes candidatos eleitos assinaram compromisso com o movimento REA.br de defender a educação aberta em seus mandatos:

Floriano Pesaro (PSDB) – Deputado Federal – São Paulo

Requião Filho (PMDB) – Deputado Estadual – Paraná

Agradecemos aos candidatos Roberto Requião (PMDB), Angelo Vanhoni (PT), Alexandre Schneider (PSD), Daniel Annenberg (PSDB) e Raul Cardoso (PT) pelo o seu apoio nessa caminhada.

A nossa campanha não termina aqui, continuaremos o nosso movimento durante o 2º turno das eleições para Governador e Presidente da República e também procuraremos todos os candidatos já eleitos para apresentar a proposta da nossa Carta Compromisso.

Você acredita na causa da Educação Aberta? Concorda que materiais educacionais financiados com dinheiro público precisam ser de fato públicos, disponíveis para toda a sociedade? Veja as formas de apoiar e ajude a divulgar essa campanha:

Leve/encaminhe a CARTA COMPROMISSO EDUCAÇÃO ABERTA para os seus candidatos: http://bit.ly/educacaoaberta
Veja quem já assinou: www.rea.net.br
Insira o banner no seu site/blog: http://bit.ly/educacaoaberta
Veja quem já aderiu a campanha: http://bit.ly/apoioeducacaoaberta
#reabr #educaçãoaberta #eleições2014

Pedro Abramovay fala de produção de conhecimento a partir da abertura

Você acredita na causa da Educação Aberta? Concorda que materiais educacionais financiados com dinheiro público precisam ser de fato públicos, disponíveis para toda a sociedade? Veja a opinião de Pedro Abramovay sobre a Campanha Carta Compromisso Educação Aberta.



Veja as formas de apoiar e ajude a divulgar essa campanha:
Leve/encaminhe a CARTA COMPROMISSO EDUCAÇÃO ABERTA para os seus candidatos: http://bit.ly/educacaoaberta
Veja quem já assinou: www.rea.net.br
Insira o banner no seu site/blog: http://bit.ly/educacaoaberta
Veja quem já aderiu a campanha: http://bit.ly/apoioeducacaoaberta
#reabr #educaçãoaberta #eleições2014

Angelo Vanhoni, candidato a Deputado Federal assina Carta Compromisso pela Educação Aberta

Angelo Vanhoni, candidato a Deputado Federal pelo Estado do Paraná assina Carta Compromisso pela Educação Aberta.

Vanhonhi assumiu em 2010 a Presidência da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. Atualmente em seu segundo mandato na Câmara Federal, foi relator do Plano Nacional de Educação e é o relator do Projeto de Lei Federal de Recursos Educacionais Abertos.

Apoie você também essa campanha e compartilhe essa pauta com o seus candidatos! Você pode marcá-los em suas postagens com a tag #reabr #educaçãoaberta #eleições2014

Daniel Annenberg, candidato a Deputado Estadual assina Carta Compromisso

Daniel Annenberg, candidato a Deputado Estadual pelo Estado de São Paulo assina Carta Compromisso pela Educação Aberta.

Daniel é formado em administração pública na FGV e em Ciências Sociais pela USP.

Apoie você também essa campanha e compartilhe essa pauta com o seus candidatos! Você pode marcá-los em suas postagens com a tag #reabr #educaçãoaberta #eleições2014

Requião Filho, candidato a Deputado Estadual assina Carta Compromisso pela Educação Aberta

Requião Filho, candidato a Deputado Estadual pelo Estado do Paraná assina Carta Compromisso pela Educação Aberta.

Apoie você também essa campanha e compartilhe essa pauta com o seus candidatos! Você pode marcá-los em suas postagens com a tag #reabr #educaçãoaberta #eleições2014