Skip to content

sobre nós

A Iniciativa Educação Aberta atende e conecta o ecossistema da educação brasileira

Reúne produções e projetos da Cátedra UNESCO em Educação a Distância e do Instituto Educadigital, que promovem a temática no Brasil. Os trabalhos, envolvendo pesquisa acadêmica, publicações, produção de recursos e repositórios, bem como formação presencial e a distância, têm sido desenvolvidos pelas pessoas das duas instituições desde 2007.

realização

Organização sem fins lucrativos, referência mundial em projetos inovadores de educação aberta na cultura digital. Fundado em 2010, tem como missão contribuir para o desenvolvimentos de novas oportunidades de aprendizagem em uma sociedade em constante transformação.

Parceria iniciada em 2014 com a antiga Cátedra UNESCO em Educação Aberta (Unicamp), atualmente com a Cátedra UNESCO em Educação a Distância (UnB), ela reúne docentes, pesquisadores, alunos e ativistas que desenvolvem projetos de pesquisa, produzem recursos e sistemas, eventos e formação sobre educação aberta e recursos educacionais abertos. É parte de uma rede global de Cátedras UNESCO em temas correlatos.

Os autores são responsáveis pela escolha e apresentação dos conteúdos desse site e pelas opiniões expressadas, que não são necessariamente da UNESCO ou da UnB e não comprometem essas organizações.

quem faz

Priscila Gonsales

Fellow Ashoka desde 2012, máster em Educação, Família e TIC pela Universidade Pontifícia de Salamanca (Espanha), cursou Design Thinking no Centro de Inovação e Criatividade da ESPM-SP, pós-graduada em Comunicação e Educação pela ECA-USP e graduação em Jornalismo. Co-fundadora do Instituto Educadigital, atua na área de educação e cultura digital desde 2001, foi coordenadora do Programa Educarede no CENPEC. É consultora especialista da pesquisa TIC Educação do CETIC.br. Em 2012 integrou o comitê brasileiro no Congresso Internacional sobre Recursos Educacionais Abertos da Unesco, em Paris (França).

Débora Sebriam

Educadora, mestre em Engenharia de Mídias para a Educação pela Universidade Técnica de Lisboa, Université de Poitiers e Universidad Nacional de Educación a Distancia – Madri. Atua com integração de tecnologias ao currículo, tecnologias e formação de professores, inovação pedagógica. Coordenadora de Educação com Tecnologias Digitais no Colégio Pioneiro, em São Paulo, tem liderado ações de formação de educadores para uso de Recursos Educacionais Abertos e apoio à criação e desenvolvimento de políticas públicas de educação aberta.

Tel Amiel

Professor do Departamento de Métodos e Técnicas da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília onde coordena a Cátedra UNESCO em Educação a Distância (UnB). É professor da Universidade de Nova Gorica (Eslovênia) no Mestrado em Liderança em Educação Aberta. Foi coordenador da Cátedra UNESCO em Educação Aberta no NIED/Unicamp onde atuou como pesquisador e coordenador. Já foi professor visitante na Utah State University, e visiting fellow na Stanford University e University of Wollongong. Conduz pesquisas sobre a educação pública e formação docente, na intersecção entre educação aberta e tecnologia educacional.

colaboradores

Stephane Lima

Doutoranda em Teoria do Estado pela Universidade de São Paulo. Mestre (2018) em Direito Constitucional e Graduada (2014) em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Centro Universitário – UNDB em São Luís – MA. Foi pesquisadora do Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação – CEPI FGV Direito SP (2017-2020). No IEA contribui com análises no âmbito do projeto Educação Vigiada.

Thiago Pezzo
Mestre em Serviço Social (UFSC), professor de sociologia e sociólogo (UNICAMP), com atuação nas políticas de Educação e de Assistência Social. Contribuidor e tradutor do Debian GNU/Linux. No IEA participa do projeto Educação Vigiada, na análise e sistematização de dados.
Sergio Branco
Doutor e Mestre em Direito Civil pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ. Pós-graduado em cinema documentário pela FGV-Rio e em Propriedade Intelectual pela PUC-Rio. Diretor do Instituto de Tecnologia & Sociedade do Rio de Janeiro.
Pedro Markun

Hacker e webativista pelos dados abertos e transparência na política. Fundador do Labhacker, um ponto de encontro entre ideias e ações, onde jornalistas, gênios da computação, engenheiros e estudantes são convidados a participar da construção colaborativa de boas práticas sociais.

Rafael Contessotto
Formado em Informática pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) em 2014, com especialização em Segurança da Informação (2019). Atua como programador desde 2013. No IEA apoia iniciativas de mapeamento e do ecossistema de software livre no Brasil.
Kalimar Maia

Atua no desenvolvimento de sistemas há sete anos. Foi um dos fundadores de rubyforgood.org que se dedica ao desenvolvimento de sistemas para ONG trabalhando com equipes de voluntários, e um dos fundadores de terrastories.io usado na preservação da história oral de pequenas comunidades em risco, como o Kayapo no Xingú. No IEA apoia iniciativas de mapeamento e do ecossistema de software livre no Brasil.

Gabriel Fedel
Hacker, militante do software livre e do conhecimento aberto. No tempo livre trabalha como engenheiro de controle de sistemas em aceleradores de partículas. Tem 4 gatos e não gosta de coentro. No IEA, atua na instalação, análise e manutentação de tecnologias de comunicação livres.
tiago_soares

Tiago Soares

Formado em Comunicação Social pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), com mestrado em Divulgação Científica e Cultural pela Universidade de Campinas (Unicamp). Tem doutorado em História pela Universidade de São Paulo (USP). No IEA, colabora com projetos de mapeamento e levantamento de dados sobre educação aberta e REA.

Daniel Pinheiro

Doutorando no Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia e Bolsista CAPES-PRINT na Universitat de Barcelona, Espanha. É integrante do Grupo de Pesquisa Educação Comunicação e Tecnologias (GEC/FACED/UFBA) e professor da Educação Básica na cidade de Mata de São João (BA). No IEA colabora com formação e projetos em torno dos REA.

Instituto Bem Estar Brasil

O Instituto Bem Estar Brasil (IBEBrasil) é uma associação civil, social, cultural e educacional, sem fins econômicos, com personalidade jurídica de direito privado, de interesse público. O Instituto atua na instalação, análise e manutentação de tecnologias de produtividades comunicação livres utilizadas e mantidas pelo IEA.

André Oddone

Graduando em Pedagogia pela Universidade de Brasília. Em 2019 participou de um projeto organizado pela instituição alemã hbz, que tem como objetivo o mapeamento de organizações, projetos, serviços, legislações, eventos e pessoas relacionadas à Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos no Brasil e no mundo. É estagiário no IEA.

Leonardo Cruz

Coordenador do Laboratório Amazônico de Estudos Sociotécnicos da Universidade Federal do Pará. Pesquisador da Rede Latino Americana de estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade (LAVITS). No IEA co-coordena o projeto Educação Vigiada.

Filipe Saraiva

Professor e Coordenador Centro de Competência em Software Livre da Univerisdade Federal do Pará. No IEA co-coordena o projeto Educação Vigiada.