Curso Líder Educação Aberta – turma 2

Com apoio da UNESCO,  formação Líder Educação Aberta – 2ª Edição abre inscrições para o processo seletivo de 1 a 5 de abril

Profissionais da Educação Básica interessados em receber a certificação Líder Educação Aberta, que também é reconhecida como extensão universitária pela Universidade de Brasília, já podem se inscrever no processo seletivo para a segunda turma. 


Processo seletivo
: de 1 a 5 de abril de 2021
Quem pode se inscrever: professores, gestores e técnicos atuantes na Educação Básica
Início do curso: 20 de abril de 2021 (término em 5 de julho de 2021)

ACESSE AQUI O PROCESSO SELETIVO
==> se você não tem uma conta no cursolab do Educadigital, clique em “criar uma conta”

O curso Líder Educação Aberta foi criado em parceria com a UNESCO Representação Brasil. Trata-se de uma formação totalmente gratuita e on-line, com carga horária de 60h, mesclando momentos síncronos e assíncronos, com o objetivo de criar uma rede de lideranças educacionais  comprometidas com a adoção de conceitos e práticas de abertura e promoção de direitos digitais.

Composto de 6 módulos de conteúdo, cada um com uma atividade prática, o curso apresenta as competências relacionadas aos Recursos Educacionais Abertos (REA) — compreender, buscar, usar, criar e compartilhar — bem como aprendizados sobre a relação entre educação, cultura digital e direitos humanos. Participantes terão a oportunidade de realizar experimentações como usuários de soluções tecnológicas baseadas em padrões abertos e software livre. Temas como remix, escolha de licenças flexíveis em produções autorais, análise de repositórios e plataformas para publicação e compartilhamento também estarão presentes. A moderação será constante, com alguns encontros em tempo real previamente agendados para dúvidas ou entrevistas com especialistas convidados.

A certificação será concedida aos concluintes da formação, considerando participação nos debates e encontros on-line e também a realização de atividades práticas, que poderão ser feitas presencial ou remotamente.

Totalmente mediado por professores especialistas, as vagas são limitadas. O processo seletivo terá como critério diversidade regional, de gênero e familiaridade com uso de tecnologias digitais na educação.

Resultado da seleção sai no dia 12 de abril


Se quiser saber mais sobre a origem do curso, assista a LIVE de lançamento realizada em setembro de 2020

Educação Vigiada apresenta dados inéditos sobre o capitalismo de vigilância na educação sul-americana

Pesquisa feita aponta uma forte associação entre universidades públicas de países da América do Sul e as empresas Google e Microsoft

Dados preliminares de pesquisa inédita do projeto Educação Vigiada, realizada pela Iniciativa Educação Aberta em parceria com a Rede Lavits apontam que, na Colômbia, de 75 universidades públicas pesquisadas, somente 4 (5%) tem seus serviços institucionais de e-mails hospedados em servidores que não são da Google (65%) ou da Microsoft (30%).

Na Venezuela, dentre as 23 universidades públicas pesquisadas, 10 (44%) hospedam seu serviço de e-mail em servidores da Google e 12 (52%) hospedam em servidores próprios ou de outras empresas (os dados de 1 universidade ainda precisam ser investigados com maior detalhamento).

Já no Uruguai, os dados apontam em outra direção: a predominância de alternativas aos servidores das empresas Google e Microsoft. Do total de 29 universidades públicas uruguaias pesquisadas, 83% utilizam servidores próprios ou de outras empresas para hospedar seus serviços de e-mail, e somente 17% (5, no total) utilizam servidores da Google.

O projeto tem como objetivo mapear os acordos entre todas as instituições de educação superior públicas da América do Sul e empresas associadas ao capitalismo de vigilância. A pesquisa buscou investigar se há a transferência do serviço de gerenciamento de e-mails para as empresas Google e Microsoft em instituições de ensino superior públicas sul-americanas. Por meio do uso de um script foi possível consultar quais servidores são responsáveis por gerenciar o tráfego de e-mail para um domínio específico, para saber se estavam sendo hospedados pela Google e Microsoft ou pelas próprias instituições. A relação entre servidores de e-mail e mudança de outros serviços (como o uso de GSuite for Education ou Microsoft 365) foi validada na primeira parte do estudo através de pedidos via Lei de Acesso a Informação.

Em 2019, na sua primeira etapa e com apoio da Fundação Derechos Digitales, a pesquisa publicou dados sobre o Brasil. Em 2021, com apoio da Rede Lavits a pesquisa está expandindo para analisar outros países da América do Sul. Em breve os dados completos por país serão disponibilizados.

Contexto

Nos últimos anos, houve no Brasil um crescimento na oferta de plataformas educacionais à instituições públicas de ensino e de pesquisa por parte de grandes empresas do setor de tecnologia, particularmente Google e Microsoft. Durante esse tempo foram ofertados serviços e produtos gratuitos a instituições e entes públicos. Essas adesões, em grande parte, têm como contrapartidas a coleta, tratamento, utilização e (potencialmente) a comercialização de dados dos seus usuários. Esse processo se consolidou e se expandiu devido às restrições de deslocamento e funcionamento de serviços presenciais durante a pandemia de Covid-19, com a implementação de modelos remotos de ensino e de trabalho.

No campo da educação superior pública, a adoção de serviços e produtos de empresas privadas como soluções oficiais leva a uma diminuição e precarização dos departamentos responsáveis pela implementação e manutenção da infraestrutura da universidade. Esse movimento, motivado em grande parte pela necessidade de corte de gastos e ações emergenciais, torna as universidades dependentes dessas empresas a longo prazo pelo fato de que os seus setores são diminuídos, e seus poucos servidores não conseguirão atender as demandas da instituição. Um dos exemplos de adoção de soluções de empresas privadas por instituições públicas é a entrega do serviço de comunicação via e-mail das universidades para empresas que monetizam os dados de seus clientes. Essa decisão implica na perda de autonomia da universidade, pela terceirização da responsabilidade de transmissão e hospedagem de informações sensíveis, que podem ficar sujeitas a comercialização.

O projeto Educação Vigiada reúne professores e pesquisadores do Brasil, Colômbia, Uruguai e Bolívia para realizar a etapa sul-americana da pesquisa. O grupo é formado pelos professores Leonardo Cruz (UFPA), Tel Amiel (UnB) e Filipe Saraiva (UFPA), e pelos pesquisadores María Viola Deambrosis (Universidade da República do Uruguai), Sebastian Zapateiro (FUTCO – Colômbia), Dariana Astrid Salas Luna (FUTCO – Colômbia), Eloisa Larrea Montaño (Internet Bolívia) e André Castanheira Oddone (UnB).

Saiba mais sobre o projeto em Educação Vigiada, acompanhe no Twitter da @iniciativaea e também através da hashtag #educacaovigiada.

Research shows a strong association between public higher education institutions in South American countries and Google/Microsoft

Preliminary data from a new study under the Education Under Surveillance project, conducted by the Open Education Initiative in partnership with Lavits Network, shows that in Colombia, out of 75 public higher education institutions (HEIs) studied, only 4 (5%) have their institutional email services hosted on servers that are not Google’s (65%) or Microsoft’s (30%).

In Venezuela, among the 23 public HEIs investigated, 10 (44%) host their email service on Google servers and 12 (52%) host it on their own or other companies’ servers (the data from 1 university is being investigated in more detail).

In Uruguay, the data points in a diffrerent direction: the predominance of alternatives to Google and Microsoft servers. From the total of 29 public Uruguayan HEIs studied, 83% use their own or other companies’ servers to host their email services, and only 17% (5 in total) use Google’s servers.

The project aims to map the agreements between public HEIs in South America and companies associated with surveillance capitalism. The research seeks to investigate if there is a transfer of email management services to Google and Microsoft in South American public higher education institutions. Through the use of a script it was possible to query which servers are responsible for managing email traffic for a specific domain, to find out whether they were being hosted by Google, Microsoft or by the institutions themselves. The relationship between email servers and change of other services (such as the use of Google Workspace for Education or Microsoft 365) was validated in the first part of the study through requests based on the Brazilian Access to Information Law.

In 2019, in its first stage, and with support from Fundación Derechos Digitales, the research published data about Brazil. In 2021, with the support of the Lavits Network, the research is expanding to analyze other countries in South America. Complete data by country will soon be available.

Background

In recent years there has been a growth in Brazil in the provision of private educational platforms to public education and research institutions by large technology companies, particularly Google and Microsoft. During this time ‘free’ services and products have been offered to public institutions. These agreements, in large part, have as their counterpart the collection, processing, use, and (potentially) commercialization of data from their users by these companies. This process has been consolidated and has expanded due to the restrictions of travel and face to face activities during the Covid-19 pandemic, with the implementation of remote teaching and work models.

In the field of public higher education, the adoption of services and products from private companies as official solutions leads to a shrinking and precariousness of the departments that are responsible for implementing and maintaining HEIs’ information and communication technology infrastructure. This movement, motivated in large part by the need to cut costs and current emergency actions, makes HEIs dependent on these companies in the long run because their IT sectors might be reduced, and their few employees will likely not be able to meet the demands of the institution. 

One example is the adoption of private companies’ solutions by public institutions is signing  of HEIs’ email communication service to companies that monetize their customers’ data. This decision implies the loss of the institution’s autonomy by outsourcing the responsibility of transmission and hosting of sensitive information, which may be subject to commercialization.

The Education Under Surveillance project brings together teachers and researchers from Brazil, Colombia, Uruguay, and Bolivia to carry out the South American stage of the research. The group is formed by professors Leonardo Cruz (UFPA), Tel Amiel (UnB), and Filipe Saraiva (UFPA), and researchers María Viola Deambrosis (University of the Republic of Uruguay), Sebastian Zapateiro (FUTCO – Colombia), Dariana Astrid Salas Luna (FUTCO – Colombia), Eloisa Larrea Montaño (Internet Bolivia), and André Castanheira Oddone (UnB).

Learn more about the project on Education Under Vigilance, follow us on Twitter @iniciativaea and also through the hashtag #educacaovigiada.

Investigación indica una fuerte asociación entre las instituciones públicas de educación superior de los países de Sudamérica y las empresas Google y Microsoft

Los datos preliminares de la investigación inédita del proyecto Educación Vigilada, realizada por la iniciativa de Educación Abierta en colaboración con la Red Lavits, indican que en Colombia, de las 75 instituciones públicas de educación superior investigadas, sólo 4 (5%) tienen sus servicios de correo electrónico institucional alojados en servidores que no son de Google (65%) y de Microsoft (30%).

En Venezuela, entre las 23 instituciones públicas encuestadas, 10 (44%) alojan su servicio de correo electrónico en los servidores de Google y 12 (52%) lo hacen en sus propios servidores o en los de otras empresas (los datos de 1 universidad están pendientes).

En Uruguay, los datos apuntan en otra dirección: el predominio de alternativas a los servidores de las empresas Google y Microsoft. Del total de 29 instituciones públicas de educación superior uruguayas encuestadas, 83% utilizan servidores propios o de otras empresas para alojar sus servicios de correo electrónico, y sólo 17% (5, en total) utilizan servidores de Google.

El proyecto tiene como objetivo mapear los acuerdos entre todas las instituciones públicas de educación superior de América del Sur y las empresas asociadas al capitalismo de vigilancia. La investigación buscó investigar si existe la transferencia del servicio de gestión de correo electrónico a las empresas Google y Microsoft en las instituciones de educación superior públicas de América del Sur. Mediante el uso de un script fue posible consultar qué servidores son los responsables de gestionar el tráfico de correo electrónico de un dominio determinado, para saber si estaban siendo alojados por Google y Microsoft o por las propias instituciones. La relación entre los servidores de correo electrónico y el cambio en otros servicios (como el uso de Google Workspace for Education o Microsoft 365) se validó en la primera parte del estudio a través de las solicitudes realizadas con base en la Ley de Acceso a la Información de Brasil.

En 2019, en su primera etapa y con el apoyo de la Fundación Derechos Digitales, la investigación publicó datos sobre Brasil. En 2021, con el apoyo de la Red Lavits, la investigación se amplía para analizar otros países de Sudamérica. Próximamente estarán disponibles los datos completos por países.

Antecedentes

En los últimos años ha crecido en Brasil la provisión de plataformas educativas a instituciones públicas de educación e investigación por parte de grandes empresas del sector tecnológico, especialmente Google y Microsoft. Durante este tiempo, se ofrecieron servicios y productos gratuitos a las instituciones y entidades públicas. Estas suscripciones, en gran medida, tienen como contrapartida la recogida, el tratamiento, el uso y (potencialmente) la comercialización de los datos de los usuarios. Este proceso se consolidó y amplió debido a las restricciones de desplazamiento y funcionamiento de los servicios presenciales durante la pandemia de Covid-19, con la implantación de modelos de enseñanza y trabajo a distancia.

En el ámbito de la educación superior pública, la adopción de servicios y productos de empresas privadas como soluciones oficiales conlleva una disminución y precarización de los departamentos encargados de la implantación y mantenimiento de la infraestructura institucional. Este movimiento, motivado en gran medida por la necesidad de recortar gastos y las acciones de emergencia, hace que las instituciones dependan de estas empresas a largo plazo, ya que sus departamentos se ven mermados y sus pocos servidores no podrán satisfacer sus demandas. Uno de los ejemplos de adopción de soluciones de empresas privadas por parte de instituciones públicas es la cesión de su servicio de comunicación por correo electrónico a empresas que monetizan los datos de sus clientes. Esta decisión implica la pérdida de autonomía de la institución, al externalizar la responsabilidad de transmisión y alojamiento de información sensible, que puede ser objeto de comercialización.

El proyecto Educación Vigilada reúne a profesores e investigadores de Brasil, Colombia, Uruguay y Bolivia para llevar a cabo la fase sudamericana de la investigación. El grupo está formado por los profesores Leonardo Cruz (UFPA), Tel Amiel (UnB) y Filipe Saraiva (UFPA), y los investigadores María Viola Deambrosis (Universidad de la República de Uruguay), Sebastian Zapateiro (FUTCO – Colombia), Dariana Astrid Salas Luna (FUTCO – Colombia), Eloisa Larrea Montaño (Internet Bolivia) y André Castanheira Oddone (UnB).

Conoce más sobre el proyecto en Educación Vigilada, síguelo en Twitter @iniciativaea y también a través del hashtag #educacaovigiada.

Como criar e compartilhar Recursos Educacionais Abertos acessíveis desde o design?

Infográficos são parte de uma série de materiais para orientar a criação de REA com acessibilidade.

Infográfico que explica a Audiodescrição. Os textos contidos na imagem estão replicados abaixo da imagem para acessibilidade. No topo uma faixa verde com texto branco maiúsculo diz

Conteúdo textual do infográfico: Audiodescrição


Por que fazer?

  • Apoia a construção de significado
  • Pode auxiliar o desenvolvimento de linguagem em crianças

O que fazer?

  • Crie um roteiro de texto de audiodescrição
  • Use adjetivos e advérbios para descrever tudo o que aparece na cena
  • Insira a audiodescrição entre diálogos, sem interferir com outros elementos sonoros;
  • Fale normalmente, evite uma narração robótica ou monótona
  • Use linguagem objetiva e engajada com os demias elementos do audiovisual

Como fazer?

Alguns software livres que podem auxiliar são: Openshot, Kdenlive, e Shotcut.

Saiba mais

Conheça o repositório do Proedu em: proedu.rnp.br.

Para conhecer mais sobre software livre que você pode usar para promover a acessibilidade, conheça o Escolha Livre: escolhalivre.org.br

Infográfico que explica Janela em Libras, texto abaixo repete o que está no gráfico

Conteúdo textual do infográfico: Janela de Libras


Por que fazer?

  • Permite que surdos e ensurdecidos tenham acesso aos conteúdos
  • Complementa a legendagem, pois existem surdos que não leem português.

O que fazer?

  • Não sobrepor quaisquer outras informações sobre a janela
  • Retirar a janela do vídeo em momentos em que não ocorrerem falas ou diálogos
  • Usar roupas contrastantes com a cor do fundo da gravação
  • Usar, de preferência, chroma key ara diexar o fundo da janela transparente
  • Inserir em metade da tela em altura ou em 1/4 da tela em largura, desde que não prejudique a visualização dos elementos do vídeo principal

Como fazer?

Alguns software livres que podem auxiliar são: Openshot, Kdenlive, e Shotcut.

Saiba mais

Conheça o repositório do Proedu em: proedu.rnp.br

Para conhecer mais sobre software livre que você pode usar para promover a acessibilidade, conheça o Escolha Livre: escolhalivre.org.br

Conteúdo textual do infográfico: Legendagem para Surdos e Ensurdecidos

Mídias: animações e vídeos.

Quem favorece?

Pessoas surdas ou ensurdecidas proficientes em Língua Portuguesa, pessoas com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

O que é?

Transcrição em língua portuguesa, dos diálogos, efeitos sonoros, sons do ambiente e demais informações que não poderiam ser percebidos ou compreendidos por pessoas com deficiência auditiva.

Por que fazer?

  • Permite acesso ao conteúdo disponibilizado na língua portuguesa, em vídeos e animações, para surdos e ensurdecidos bem como favorece o acesso ao conteúdo para pessoas com transtornos neurológicos como TDAH.
  • A legendagem não é um recurso que resolva o problema de acesso a conteúdo de vídeos e animações, pois existem surdos que não leem em português. Legendagem e interpretação/tradução em Libras são complementares.

O que fazer?

  • As legendas devem ser agregadas ao produto original, sem prejuízo a visualização pelo público alvo (surdos e ensurdecidos).
  • Número de linhas: usar no máximo duas linhas de legenda.
  • Para velocidade da fala (no audiovisual) entre 145 e 180 palavras por minuto recomenda-se 32 caracteres em média por segmentação.
  • As linhas das legendas devem estar alinhadas ao centro.
  • As legendas têm em média 3 segundos de duração/exposição na tela.
  • Deve-se editar e resumir o texto quando há muita informação na fala e não há tempo na cena para transcrever literalmente o áudio.
  • Efeitos sonoros, músicas, identificação dos falantes são sinalizados de forma específicas

Como fazer?

Softwares e hardwares necessários: de gravação/edição de áudio e de edição de vídeo. Edição de legendas: Gnome Subtitles, Subtitle Edit, Media Subtitler (não livre), Subtitle Workshop.

Saiba Mais

Sobre o projeto

Para auxiliar no desenvolvimento de REA acessíveis aos mais diferentes públicos, a Iniciativa Educação Aberta está disponibilizando uma série de infográficos. O objetivo do material é sensibilizar e promover a criação de recursos educacionais abertos que garantam a acessibilidade no planejamento e no design

A produção dos materiais de apoio para acessibilidade em REA está sendo liderada pelo Prof. Dr. Raymundo Filho, colaborador do IEA e professor do IFSul, com design de Bruna Gugliano, e apoio do  Prof. Tel Amiel (IEA/UnB). Os conteúdos têm como base a publicação aberta: Recomendação Técnica de Acessibilidade em Recursos Educacionais Digitais disponível no PROEDU.

“A quebra de barreira no acesso à conteúdo educacional é um ponto fundamental para que se promova a permanência e êxito dos alunos com deficiência nos sistemas escolares; sendo que, invariavelmente, a preparação de conteúdo, na rede de educação básica e superior brasileira e mundial, recai sobre o próprio professor. Neste sentido, nos colocamos com a responsabilidade de compartilhar conhecimento sobre esse tema de forma aberta. O conhecimento produzido no projeto do Repositório de Recursos Abertos para Rede de Educacional Profissional, Cientifica e Tecnológica (Proedu) passa a ser compartilhado de forma pública a fim de contribuir para o acesso universal à educação e que os conteúdos produzidos com acessibilidade possam ser utilizados, adaptados e remixados seguindo as premissas da Educação Aberta”, ressalta o Prof. Raymundo Filho.

Acessibilidade e inclusão compõem um dos cinco objetivos principais da Recomendação REA da UNESCO. O documento, aprovado pela Conferência Geral da UNESCO em 2019, incentiva o acesso a recursos educacionais abertos de qualidade, para todos:

(iii) acesso efetivo, inclusivo e equitativo à REA de qualidade: apoiar a adoção de estratégias e programas, inclusive através de soluções tecnológicas relevantes que garantam que a REA em qualquer meio seja compartilhada em formatos e padrões abertos para maximizar o acesso equitativo, a cocriação, a curadoria e a possibilidade de encontrá-los, inclusive para aqueles que fazem parte de grupos vulneráveis e pessoas com deficiência