Observatório Educação Vigiada: Lançamento

Lançamento do Observatório acontecerá em conjuto com o lançamento de dados inéditos sobre o capitalismo de vigilância na educação Sul Americana, no dia 09/09 (quinta-feira) as 16h00 (Brasília) no link: https://www.youtube.com/lavitsnetwork

Continue reading

Serviços do Comunica! serão desativados

Após pouco mais de um ano em pleno funcionamento, os serviços da plataforma Comunica! serão desativados a partir de setembro de 2021. Criada pela Iniciativa Educação Aberta, com apoio da UNESCO Brasil, o Comunica! teve dois principais objetivos, o primeiro deles, foi propiciar a educadores e estudantes possibilidades de experimentação de sistemas em software livre de comunicação e produtividade (Jitsi, Mumble e Etherpad) durante a pandemia da COVID-19. O segundo objetivo teve como foco documentar o processo de criação de uma instância controlada de hospedagem e infraestrutura e os respectivos desafios de implementação e manutenção.

“Para manter o serviço de forma perene, com as devidas atualizações e manutenção, para além do custo dos serviços de hospedagem, que cresceram muito com a alta do dolar, precisaríamos contar com um suporte contínuo de um administrador de sistemas”, explicou o professor Tel Amiel, co-líder da Iniciativa Educação Aberta. Nesse período, foi feita uma busca ativa por recursos financeiros através de projetos em agências de fomento, bem como chamadas de organizações nacionais e internacionais. Há claro reconhecimento da demanda por esses servços, no entanto, esse reconhecimento não se converteu em oportunidades de financiamento.

Desde o lançamento, a Comunica! tem sido utilizada por diversos educadores e pesquisadores de educação que participaram do curso Líder Educação Aberta (206 inscritos em duas edições), do grupo no Telegram de apoiadores do projeto Educação Vigiada, atualmente com 104 membros e dos projetos de colaboração entre a UnB e UEMG (mais de 200 alunos) no âmbito do Escolha Livre.

O professor João Ras, coordenador do CEEJA de Marília-SP, fez uso da plataforma Comunica! em diversas atividades, incluindo aulas com estudantes da Educação de Jovens e Adultos e escrita colaborativa entre docentes. “Tanto o Jitsi como o Etherpad se mostram ferramentas muito úteis para o processo pedagógico. Pudemos utilizar as videoconferências para encontros com alunos, professores, gestores e servidores das mais variadas experiências com a tecnologia, com grupos grandes e pequenos. Na escrita colaborativa, chegamos a reunir aproximadamente 30 docentes para redigir uma postagem coletiva na plataforma do WordPress utilizada pela equipe escolar.”

O Comunica! mostrou que é possível implementar e manter um serviço útil e de qualidade para sistemas de comunicação e produtividade na educação baseado em software livre. Atualmente, a Iniciativa Educação Aberta tem se dedicado a disseminar a experiência do Comunica! a partir do diálogo com coletivos de organizações e atores da educação para a implementação da Rede Escolha Livre, que une infraestrutura de hardware e software livres. Para Tel Amiel, é importante fomentar a adoção da Rede Escolha Livre por sistemas públicos de ensino e pesquisa, hoje tão dependentes de serviços externos de grandes plataformas comerciais proprietárias.

Atenção para as datas de desativação:

  • Videoconferência (Jitsi) e comunicação por áudio (Mumble): dia 29/setembro/2021.
  • Escrita colaborativa (Etherpad): dia 29/outubro/2021, mais tempo para que todos possam baixar seus escritos com segurança.

Por se tratarem de software livre, é fácil encontrar outras instalações do Jitsi e do Etherpad para usar. Seguem algumas indicações:

Jitsi

Etherpad

Chega de dependência: Aplicativos livres para usar na educação

Por meio de um projeto colaborativo entre UEMG e UnB, estudantes de Pedagogia criaram tutoriais sobre aplicativos e redes sociais desenvolvidos em software livre. Os materiais acabam de ser disponibilizadas no portal Escolha Livre, da Iniciativa Educação Aberta.
 
O portal já conta com diversos tutoriais em vídeo para auxiliar alunos e professores a fazer uso de ferramentas e plataformas livres. Agora, conta também com orientações para diversas ferramentas ainda pouco conhecidas por grande parte dos educadores: redes sociais, buscadores, aplicativos de mensagens e muito mais!
 
Os alunos de Pedagogia autores dos novos tutoriais foram orientados pela Profa. Janaina Diniz (UEMG) e pelo Prof. Tel Amiel (UnB), ambos colaboradores da Iniciativa Educação Aberta. O projeto de cooperação entre os dois docentes já entra no terceiro semestre.
 
Os alunos de ambas as instituições se auto-organizam em grupos de trabalho por interesse. Ao longo de 4-6 semanas participam de aulas síncronas, reuniões em grupo com os professores e fazem uso de diversas ferramentas livres como Jitsi e Etherpad para trabalhar em grupo e construir um projeto final, licenciado de forma aberta. 
 
De acordo coma a Profa. Janaina Diniz, o projeto possibilita interação e troca de experiências de estudantes do curso de Pedagogia que estão em instituições distintas e geograficamente distantes. “Para além disso, permite que os futuros professores conheçam, reflitam e usem as tecnologias de forma crítica e emancipatória”.
 
Além de conhecer e utilizar as ferramentas, os alunos produzem relatos e análises críticas, partindo de questões como privacidade, vigilância, liberdade e abertura na educação. 
 
“O projeto me proporcionou oportunidade para desenvolvimento de habilidades na utilização de softwares livres de comunicação, edição e compartilhamento. Possibilitou conhecimentos sobre a importância de ensinar sobre o uso dessas ferramentas na educação, afim de fortalecer a formação e trabalho docente”, ressaltou Ana Lopes, aluna da UEMG, 
 
Foram criados tutoriais de introdução às seguintes plataformas: Pixelfed (compartlihamento de fotos/stories), Peertube (vídeos), Duckduckgo (buscador), Nextcloud (drive), Diaspora (rede social), Mastodon (microblog) e Element (mensagens).
 
O Escolha Livre foi lançado em 2020 pela Iniciativa Educação Aberta com apoio da UNESCO Brasil. Tem como objetivo ser um portal de conhecimento sobre os Recursos Educacionais Abertos e o Software Livre na educação. Agrega tutoriais, podcasts, vídeos e textos que auxiliam professores e alunos a incorporar práticas abertas na educação.

Leadership in Open Education: UNESCO Guidelines and Policy Game

Open Policy Game and UNESCO Guidelines for OER Policy used in course on Open Education Strategies

Students in the new Leadership in Open Education Masters program (UNG/Slovenia) course Open Education Strategies have created detailed analyses of open policy and practices focused on the UNESCO Guidelines for OER Policy (co-written by one of the teachers, Dominic Orr) and the Open Education Initiatives’ Open Education Policy Game (Tel Amiel, of the Open Education Initiative, was co-teacher in the course). The use of both instruments has shown itself as a powerful mechanism to analyze and create a roadmap for OER and Open Education policy for organizations an groups.

As the final assignment of the one semester course (winter 2020/21), students were asked to reflect on an existing case, which they knew well, and to apply what they had learnt in the course to considerations for developing an open education policy for this case. The authors and their academic supervisors are proud to share these reflections with the field in the hope that they may contribute to a rich and comprehensive debate around developing open education policies around the world.

  • The first case, written by Ms. Mojca Drevenšek, aims to foster multi-stakeholder communities around changes in use of clean energies.
  • The second case, written by Ms. Ana Fabjan, drafts an open policy roadmap for an existing online mentoring program entitled “Open Education for a Better World (OE4BW)”

In both cases, the authors are convinced that it is necessary to think comprehensively about developing and implementing a strategy that enables the initiatives to make full use of the potentials of open education and their communities to foster sustainable social innovations.

Both reports, which we hope can inspire similar initiatives, can be found in the LOE community in Zenodo.

Open Education Initiative: Updates and outlook

In these very troubled times, we took some time to reflect and write down a balance of our activities in 2020 and our outlook for 2021. In this short report we align our activities with two important normative documents: the UNESCO OER Declaration (2019) and the MERCOSUR OER Recommendations and Action Plan (2018).

Open Education Leadership course
It is a free and online course for in-service and pre-service and in-service teachers with an active mediation and a 60 hour workload, blending synchronous and asynchronous moments. The objective is to create a network of educational leaders committed to educational transformation through the adoption of concepts and practices of openness and promotion of digital rights. The course is offered by the University of Brasilia, with official certification, conducted by the Open Education Initiative in partnership with UNESCO Brazil. First offer (2020) and two subsequent offers (2021). It parallels our experience in higher education with our Ministry of Education/CAPES Open Education Ambassadors program.
OER Recommendation, focus on (i) sections (a-f), (ii) section (c), (iii) section (b)
MERCOSUR Recommendation item 5.

With support from the UNESCO Brasilia office.

Choose Free! portal
An informative and educational website that points out a range of options and free and open strategies that can assist, mainly teachers, but also students and administrators, in their educational activities. The site contains testimonials from teachers, students and managers about free software and OER; explains and points to useful platforms, systems and applications for education; includes tutorials on how to make use of tools and discusses various types of activities, including virtual conferences, collaborative writing, production of audiovisual resources, file sharing and where to find OER. It also provides Comunica! a space for experimenting free software online tools like video conferencing and collaborative writing (Jitsi, Mumble, Etherpad) that we maintain, showing that can be adopted by institutions.
OER Recommendation, focus on (i) Building capacity, sections (d,e,f), and (ii) section (e)
MERCOSUR Recommendation item 5.

With support from the UNESCO Brasilia office.

Open Services Map – (live, to be launched in the next 2-3 weeks) – an open registry of collectives, companies, startups and service providers that work with open resources and free software focused on education. The map (MSA) facilitates contact between service providers and education managers by promoting the free software universe and open educational resources in education.
OER Recommendation (iv) sections (b,c)

OER Mapping of Latin America
We created a network of undergraduate students who have mentorship on OER, and with support from their mentors have finished updating the OER World Map with all of Latin America and South Africa (services, organizations, policies). Mapping finalized, report forthcoming.Together with UDELAR (Uruguay), UNPA (Argentina) and Tecnológico Comfenalco (Colombia) and UNESCO Chair at North West U (South Africa).
OER Recommendation, focus on (i), sections (a,b), (ii) section (c) and (v) section (a,c,f)
MERCOSUR OER Recommendation – item 1 and 2.

With support from HBZ.

Copyright guidelines during emergency remote education
We have established a small group of experts to influence copyright policies at universities to include OER and flexible interpretations of copyright law. We published what has become a very popular guide on the topic, which has been used by lawmakers and high level university officials. The perspectives highlighted here have been used to frame the policies in two federal universities (with more to come).
OER Recommendation, focus on (i), sections (c,e), (ii) section (e,h)
MERCOSUR OER Recommendation – item 2,3.

Open Education Pocketbook (2020)
A very introductory and user-friendly introduction to Open Education, connecting with other ‘open’ areas of interest
OER Recommendation (i) sections (a,e)
MERCOSUR OER Recommendation – item 5.

Education Under Surveillance Observatory
Part of a research project and informative site that provides up-to-date information on the partnership of public institutions (higher education) and city and state school systems with large corporations associated with surveillance capitalism (Google and Microsoft). It shows that 65% of institutions and systems currently have contracted with such businesses. Provides information, reports, and other educational resources on privacy and digital rights in education. The project is now mapping all of South America in partnership with other universities. Initially supported by Derechos Digitales and South America expansion supported by LAVITS network.
OER Recommendation, focus on (i) section (d) and (ii) section (h)
MERCOSUR OER Recommendation – item 2.

Curso Líder Educação Aberta – turma 2

Com apoio da UNESCO,  formação Líder Educação Aberta – 2ª Edição abre inscrições para o processo seletivo de 1 a 5 de abril

Profissionais da Educação Básica interessados em receber a certificação Líder Educação Aberta, que também é reconhecida como extensão universitária pela Universidade de Brasília, já podem se inscrever no processo seletivo para a segunda turma. 


Processo seletivo
: de 1 a 5 de abril de 2021
Quem pode se inscrever: professores, gestores e técnicos atuantes na Educação Básica
Início do curso: 20 de abril de 2021 (término em 5 de julho de 2021)

ACESSE AQUI O PROCESSO SELETIVO
==> se você não tem uma conta no cursolab do Educadigital, clique em “criar uma conta”

O curso Líder Educação Aberta foi criado em parceria com a UNESCO Representação Brasil. Trata-se de uma formação totalmente gratuita e on-line, com carga horária de 60h, mesclando momentos síncronos e assíncronos, com o objetivo de criar uma rede de lideranças educacionais  comprometidas com a adoção de conceitos e práticas de abertura e promoção de direitos digitais.

Composto de 6 módulos de conteúdo, cada um com uma atividade prática, o curso apresenta as competências relacionadas aos Recursos Educacionais Abertos (REA) — compreender, buscar, usar, criar e compartilhar — bem como aprendizados sobre a relação entre educação, cultura digital e direitos humanos. Participantes terão a oportunidade de realizar experimentações como usuários de soluções tecnológicas baseadas em padrões abertos e software livre. Temas como remix, escolha de licenças flexíveis em produções autorais, análise de repositórios e plataformas para publicação e compartilhamento também estarão presentes. A moderação será constante, com alguns encontros em tempo real previamente agendados para dúvidas ou entrevistas com especialistas convidados.

A certificação será concedida aos concluintes da formação, considerando participação nos debates e encontros on-line e também a realização de atividades práticas, que poderão ser feitas presencial ou remotamente.

Totalmente mediado por professores especialistas, as vagas são limitadas. O processo seletivo terá como critério diversidade regional, de gênero e familiaridade com uso de tecnologias digitais na educação.

Resultado da seleção sai no dia 12 de abril


Se quiser saber mais sobre a origem do curso, assista a LIVE de lançamento realizada em setembro de 2020

Como criar e compartilhar Recursos Educacionais Abertos acessíveis desde o design?

Infográficos são parte de uma série de materiais para orientar a criação de REA com acessibilidade.

Infográfico que explica a Audiodescrição. Os textos contidos na imagem estão replicados abaixo da imagem para acessibilidade. No topo uma faixa verde com texto branco maiúsculo diz

Conteúdo textual do infográfico: Audiodescrição


Por que fazer?

  • Apoia a construção de significado
  • Pode auxiliar o desenvolvimento de linguagem em crianças

O que fazer?

  • Crie um roteiro de texto de audiodescrição
  • Use adjetivos e advérbios para descrever tudo o que aparece na cena
  • Insira a audiodescrição entre diálogos, sem interferir com outros elementos sonoros;
  • Fale normalmente, evite uma narração robótica ou monótona
  • Use linguagem objetiva e engajada com os demias elementos do audiovisual

Como fazer?

Alguns software livres que podem auxiliar são: Openshot, Kdenlive, e Shotcut.

Saiba mais

Conheça o repositório do Proedu em: proedu.rnp.br.

Para conhecer mais sobre software livre que você pode usar para promover a acessibilidade, conheça o Escolha Livre: escolhalivre.org.br

Infográfico que explica Janela em Libras, texto abaixo repete o que está no gráfico

Conteúdo textual do infográfico: Janela de Libras


Por que fazer?

  • Permite que surdos e ensurdecidos tenham acesso aos conteúdos
  • Complementa a legendagem, pois existem surdos que não leem português.

O que fazer?

  • Não sobrepor quaisquer outras informações sobre a janela
  • Retirar a janela do vídeo em momentos em que não ocorrerem falas ou diálogos
  • Usar roupas contrastantes com a cor do fundo da gravação
  • Usar, de preferência, chroma key ara diexar o fundo da janela transparente
  • Inserir em metade da tela em altura ou em 1/4 da tela em largura, desde que não prejudique a visualização dos elementos do vídeo principal

Como fazer?

Alguns software livres que podem auxiliar são: Openshot, Kdenlive, e Shotcut.

Saiba mais

Conheça o repositório do Proedu em: proedu.rnp.br

Para conhecer mais sobre software livre que você pode usar para promover a acessibilidade, conheça o Escolha Livre: escolhalivre.org.br

Conteúdo textual do infográfico: Legendagem para Surdos e Ensurdecidos

Mídias: animações e vídeos.

Quem favorece?

Pessoas surdas ou ensurdecidas proficientes em Língua Portuguesa, pessoas com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

O que é?

Transcrição em língua portuguesa, dos diálogos, efeitos sonoros, sons do ambiente e demais informações que não poderiam ser percebidos ou compreendidos por pessoas com deficiência auditiva.

Por que fazer?

  • Permite acesso ao conteúdo disponibilizado na língua portuguesa, em vídeos e animações, para surdos e ensurdecidos bem como favorece o acesso ao conteúdo para pessoas com transtornos neurológicos como TDAH.
  • A legendagem não é um recurso que resolva o problema de acesso a conteúdo de vídeos e animações, pois existem surdos que não leem em português. Legendagem e interpretação/tradução em Libras são complementares.

O que fazer?

  • As legendas devem ser agregadas ao produto original, sem prejuízo a visualização pelo público alvo (surdos e ensurdecidos).
  • Número de linhas: usar no máximo duas linhas de legenda.
  • Para velocidade da fala (no audiovisual) entre 145 e 180 palavras por minuto recomenda-se 32 caracteres em média por segmentação.
  • As linhas das legendas devem estar alinhadas ao centro.
  • As legendas têm em média 3 segundos de duração/exposição na tela.
  • Deve-se editar e resumir o texto quando há muita informação na fala e não há tempo na cena para transcrever literalmente o áudio.
  • Efeitos sonoros, músicas, identificação dos falantes são sinalizados de forma específicas

Como fazer?

Softwares e hardwares necessários: de gravação/edição de áudio e de edição de vídeo. Edição de legendas: Gnome Subtitles, Subtitle Edit, Media Subtitler (não livre), Subtitle Workshop.

Saiba Mais

Sobre o projeto

Para auxiliar no desenvolvimento de REA acessíveis aos mais diferentes públicos, a Iniciativa Educação Aberta está disponibilizando uma série de infográficos. O objetivo do material é sensibilizar e promover a criação de recursos educacionais abertos que garantam a acessibilidade no planejamento e no design

A produção dos materiais de apoio para acessibilidade em REA está sendo liderada pelo Prof. Dr. Raymundo Filho, colaborador do IEA e professor do IFSul, com design de Bruna Gugliano, e apoio do  Prof. Tel Amiel (IEA/UnB). Os conteúdos têm como base a publicação aberta: Recomendação Técnica de Acessibilidade em Recursos Educacionais Digitais disponível no PROEDU.

“A quebra de barreira no acesso à conteúdo educacional é um ponto fundamental para que se promova a permanência e êxito dos alunos com deficiência nos sistemas escolares; sendo que, invariavelmente, a preparação de conteúdo, na rede de educação básica e superior brasileira e mundial, recai sobre o próprio professor. Neste sentido, nos colocamos com a responsabilidade de compartilhar conhecimento sobre esse tema de forma aberta. O conhecimento produzido no projeto do Repositório de Recursos Abertos para Rede de Educacional Profissional, Cientifica e Tecnológica (Proedu) passa a ser compartilhado de forma pública a fim de contribuir para o acesso universal à educação e que os conteúdos produzidos com acessibilidade possam ser utilizados, adaptados e remixados seguindo as premissas da Educação Aberta”, ressalta o Prof. Raymundo Filho.

Acessibilidade e inclusão compõem um dos cinco objetivos principais da Recomendação REA da UNESCO. O documento, aprovado pela Conferência Geral da UNESCO em 2019, incentiva o acesso a recursos educacionais abertos de qualidade, para todos:

(iii) acesso efetivo, inclusivo e equitativo à REA de qualidade: apoiar a adoção de estratégias e programas, inclusive através de soluções tecnológicas relevantes que garantam que a REA em qualquer meio seja compartilhada em formatos e padrões abertos para maximizar o acesso equitativo, a cocriação, a curadoria e a possibilidade de encontrá-los, inclusive para aqueles que fazem parte de grupos vulneráveis e pessoas com deficiência

Plataformas de comunicação livres

Ao escolher uma plataforma para comunicação com seus alunos, considere trabalhar com serviços baseados em software livre e cujo modelo de negócio não seja baseado na coleta, tratamento e venda de dados. A coleta e uso comercial de dados pode ter impactos imprevistos sobre a privacidade de professores, alunos e instituições.

O gráfico abaixo divide os serviços de comunicação de acordo com dois critérios: grupos grandes (palestras, grupos com todos os alunos) ou grupos pequenos (grupos de trabalho, mentoria). Encontre no quadrante sugestões de sistemas para experimentar e conhecer!

Está disponível em formato médio para compartilhar. Clique com o botão direito para baixar a versão grande (PNG) e, para remixar, o arquivo fonte feito no software livre Inkscape (SVG). Colocamos também o texto integral para promover a acessibilidade da imagem.

Privado/Pequenos
Aplicativos de mensagens são bons para comunicar via texto em grandes grupos e para fazer videoconferências em pequenos grupos.
SIGNAL é o padrão em termos de privacidade e segurança.
JITSI é um sistema de vídeoconferência que pode ser usado de forma privada ou pública (com link) pelo celular ou web.

Privado/Grandes
Serviços como ELEMENT (baseados no protocolo MATRIX) e JAMI (mais experimental) permitem criar canais de bate papo em texto, áudio e vídeo apropriados para grandes grupos.
O uso de AVAs (Ambientes Virtuais de Aprendizagem) como MOODLE, constitui um espaço privado de interação entre alunos e pode ser integrado com serviços como JITSI.

Publico/Grandes
Experimente redes sociais livres como MASTODON (similar ao Twitter) ou FRIENDICA e DIASPORA (similares ao Facebook). Diversos servidores estão disponívies e usualmente tem poucos usuários e moderação de conteúdo.
MUMBLE é um sistema para comunicação em áudio em salas públicas para pequenos e grandes grupos.
FREENODE é um espaço web baseado em IRC, para bate papo em texto.

Líder Educação Aberta começa dia 6/10

Criado pela Iniciativa Educação Aberta com apoio da UNESCO e extensão universitária na UnB, formação totalmente gratuita e on-line é destinada a profissionais da educação básica. Saiba mais

Participantes selecionados/as para a 1ª edição do curso

Nome completoEstadoCidade
Adria Alves dos Santos RodriguesGOÁguas Lindas
Adriana Beatriz Pacher RaachSCSão João Batista
Aline Bernardi CapriolliRSSapucaia do Sul
Aline Soares de limaSPSão Bernardo do Campo
Ana Fernanda Brandão PereiraPAPonta Grossa
Andrea aparecida felix felixSPSorocaba
Camila PachecoPRAraucária
Carlos Antônio da SilvaPERecife
Daniela Lopes ErloSPIbaté
Edmaria Conceição SantosBASalvador
Eduardo MatiasALMaceió
Elaine Teixeira da SilvaRJCampos dos Goytacazes
Elena M IgnacioRJRio de Janeiro
Elisangela Gama MamedioBAPiraí do Norte
Erima Amaral CardosoBAVitória da Conquista
Fernando Antonio de Macêdo ParenteRJRio de Janeiro
Graça SantosRJRio de Janeiro
Gislaine Batista MunhozSPSão Paulo
Hanay Rosa das NevesSCCriciuma
Jamila Bezerra InacioDFBrasília
Jefferson PaixãoSPSorocaba
Jefferson Teixeira BAIrecê
Jesse de Castro LibanioSCBalneário Camboriú
Joana AlmeidaBASalvador
João Paulo Francisco de SouzaSPMarília
Joaquim Lazinho Borges BorgesDFSobradinho-DF
Josefa Ferreira Soares DiasBABom Jesus da Lapa
Joselia Domingos dos SantosBASalvador
Juliana BastosBASalvador
Larissa MalfattiSPCampinas
Leidiana MerloESVila Velha
Liliane Pereira da Silva CostaSPSão Paulo
Luciana  Silva Vasconcelos Santos da SilvaPETRIUNFO
Luciana Guimarães Rodrigues de LimaRJRio de Janeiro
Luciano José Trindade FalcãoALMaceió
Lucileide Barbosa Dantas MoreiraBAFormosa do Rio Preto
Luís José MalangaCERedenção
Luzinete LyrioBASalvador
Marcia Eleane Braghini Deus DeuSPSão Paulo
Márcia Sayoko NanakaPRCuritiba
Maria Celia Dantas de AraújoBASão Sebastião do Passé
Maria da Penha Pompermayer CaetanoESVila Velha
Maria Rozane Pereira de OliveiraALBoca da Mata
Maria Sandra de SouzaDFBrasília
Maria Sueli Cardoso dos SantosSPCotia
Mariana GamaBASalvador
Mariceia de SenaSPSão Paulo
Moacir Freitas BorgesBALauro de Freitas
Nelson Rodrigues da Cruz JuniorBAIrecê
Pamela Nayara Santana El OtraSPSão Paulo
Pâmella Araújo BalcaçarMTRondonópolis
Patricia Vivolo Rotondaro da SilvaSPSão Bernardo do Campo
Rafaela de Oliveira Alves PiresDFBRASÍLIA
Raquel dos Santos Candido da SilvaSPMarília
Rodolfo Athayde de MoraisMGMontes Claros
Rosa LamanaSPSão Paulo
Silvia AmbrozimSPMarilia
Silvia leticia santos lopesBABoa Nova
Vanessa Duarte LeiteSPMogi das Cruzes
Vanise Souza SantosBASão Francisco do Conde
Veridiana Alves Cirino ReisSPMarília
Victor Augusto SilvaSPJundiaí
Wilson Beleza dos SantosPATrairão
Yara gabrielSPSão Paulo
Zuleide de Jesus CerqueiraBaItuberá

Participantes convidadas: 
Maria Rehder – consultora UNESCO 
Maria da Graça Moreira – professora da PUC-SP

Curso inédito vai certificar profissionais da educação básica

Com apoio da UNESCO, primeira turma da formação Líder Educação Aberta, totalmente gratuita e on-line, será no período de outubro-dezembro de 2020. Aprovado como extensão universitária na UnB 

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

Com o objetivo de criar uma certificação para professores e gestores da Educação Básica de todas as regiões do Brasil, a Iniciativa Educação Aberta, em parceria com a UNESCO Representação Brasil lança no dia 1 de setembro o processo seletivo para a primeira turma do curso Líder Educação Aberta. Trata-se de uma formação totalmente gratuita e on-line, com carga horária de 60h, mesclando momentos síncronos e assíncronos, como o objetivo de criar uma rede de lideranças educacionais comprometidas com a transformação educacional por meio da adoção de conceitos e práticas de abertura e promoção de direitos digitais.

Período do curso: 6 de outubro a 8 de dezembro de 2020

O curso será composto de 8 módulos de conteúdo e vai propor reflexões e práticas a partir das competências relacionadas aos Recursos Educacionais Abertos (REA) — compreender, buscar, usar, criar e compartilhar — bem como aprendizados sobre a relação entre educação, cultura digital e direitos humanos. Participantes terão a oportunidade de realizar experimentações como usuários de soluções tecnológicas baseadas em padrões abertos e software livre. Temas como remix X plágio, escolha de licenças flexíveis em produções autorais, análise de repositórios e plataformas para publicação e compartilhamento também estarão presentes. A moderação será constante, com alguns encontros em tempo real previamente agendados para dúvidas ou entrevistas com especialistas convidados.

Em novembro de 2019, foi aprovada uma recomendação para REA na Conferência Geral da UNESCO para que os países membros acelerem a implementação de políticas de educação aberta visando cumprir o 4º Objetivo da Agenda 2030 da ONU: educação de qualidade, equitativa e inclusiva.  “O compromisso da UNESCO no Brasil com educação aberta já vem de longa data, seja no apoio a  normativas já criadas pelo poder público, como a iniciativas da sociedade civil. Com o lançamento do curso, queremos também fortalecer os atores da educação, com vistas a formar uma rede de lideranças que possam disseminar conceitos e práticas”, ressalta Rebeca Otero, coordenadora de Educação da UNESCO.

A certificação será concedida aos concluintes da formação, considerando participação nos debates e encontros on-line e também a realização de atividades práticas, que poderão ser feitas presencial ou remotamente.

Totalmente mediado por professores especialistas, as vagas são limitadas. O processo seletivo, com início no dia 1/9 e término em 15/9, terá como critério diversidade regional, de gênero e familiaridade com uso de tecnologias digitais na educação.

Inscrições encerradas
Processo seletivo de 2 a 16 de setembro de 2020. Resultado: 30 de setembro

Se você já fez algum curso on-line do Educadigital (cursolab.org.br) CLIQUE AQUI

Se você ainda não fez um curso on-line do Educadigital, CLIQUE AQUI

Resultado da seleção sai no dia 30 de setembro

 

Assista a LIVE de lançamento 

Extensão universitária pela UnB